Evento Parque da Mobilidade Urbana premia iniciativas de mobilidade sustentável e segura

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O PMU é realização da Plataforma Connected Smart Cities e do Mobilidade Estadão e ocorreu entre os dias 22 e 24 de junho no novo Pacaembu.

No dia 22 de junho, durante a abertura do Parque da Mobilidade Urbana (PMU) realizado no Pavilhão do Pacaembu, em São Paulo, especialistas se reuniram para discutir mobilidade e segurança viária, temas de extrema importância para a sociedade. O painel contou com a participação de renomados profissionais que compartilharam suas visões e propostas para melhorar a mobilidade no Brasil.

César Augusto e Rênie Honda da equipe da Bright Cities fizeram a cobertura do evento.

Sergio Avelleda, especialista em mobilidade e sócio-fundador da Urucuia Inteligência em Mobilidade Urbana, destacou a gravidade da situação atual, enfatizando que cerca de 120 pessoas perdem a vida diariamente nas estradas brasileiras, equivalendo a um acidente aéreo diário. Avelleda ressaltou a necessidade de tratar as ocorrências de trânsito como problemas sérios que exigem ação imediata, em vez de normalizá-las e ignorar a possibilidade de evitá-las.

Os palestrantes reforçaram a importância do envolvimento de diversos setores da sociedade no desafio de melhorar o trânsito. Paulo Guimarães, CEO do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), ressaltou o papel desempenhado por sua organização, que atua como geradora de conhecimento por meio de estudos, pesquisas e advocacy para sensibilizar o governo na formulação de políticas públicas sobre o tema. O ONSV também foi responsável pela realização do Maio Amarelo, movimento social pela segurança no trânsito que completou 10 anos em 2023.

Nancy Schneider, arquiteta urbanista e especialista em segurança no trânsito, compartilhou sua experiência de 47 anos na Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e destacou quatro frentes de trabalho que devem atuar em conjunto: um banco de dados robusto, envolvimento da sociedade, priorização do tema e garantia de que o órgão de trânsito seja o gestor dessa transformação. Ela enfatizou o papel crucial da fiscalização, priorizando os principais enquadramentos que podem influenciar a mudança de comportamento das pessoas.

Valtair Ferreira Valadão, diretor adjunto de planejamento e projetos da CET, mencionou os desafios enfrentados pelo órgão, incluindo as metas de redução de mortes no trânsito e implementação de faixas exclusivas para ônibus na cidade de São Paulo. Em 2022, foram implantados 18,3 km de faixas exclusivas, e a previsão para 2023 é de mais 29,3 km.

Um exemplo positivo de boas práticas veio de Saulo Santiago de Oliveira, coordenador do núcleo de Segurança Viária da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania de Fortaleza (CE). Ele destacou a implementação dos Sistemas Seguros, metodologia desenvolvida na Suécia, como fundamental para a redução das mortes no trânsito em Fortaleza. A cidade registrou uma redução de 58% nas mortes em oito anos, poupando mais de 1.000 vidas, resultado das ações implementadas, como melhoria da capacidade técnica, aplicação de boas práticas adaptadas à realidade local e comunicação efetiva com a sociedade.

O setor privado também se mostrou engajado na busca por soluções. A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores e Bicicletas (Abraciclo) apresentou suas iniciativas para combater as mortes e acidentes com motociclistas, as maiores vítimas do trânsito no Brasil. Wilson Yasuda, consultor de segurança viária da Abraciclo, mencionou o apoio da associação à implementação da Faixa Azul, que não registrou nenhuma morte desde sua implantação. Além disso, a Abraciclo participa da Frente Segura, que busca posicionar as motocicletas à frente dos veículos, e apoia a ampliação da estrutura cicloviária para os ciclistas. A meta estabelecida é reduzir em 50% o número de acidentes no trânsito nos próximos 10 anos.

Niege Chaves é Vice-Presidente do Grupo Mobibrasil e a ganhadora do Prêmio Parque da Mobilidade Urbana, na categoria “Carreira Inspiradora em Mobilidade Urbana”. Ela foi reconhecida por sua trajetória profissional dedicada à mobilidade urbana sustentável, inclusiva e segura. Niege Chaves iniciou seus trabalhos nas áreas de transporte e mobilidade urbana na década de 90 e atualmente atua como VP do Grupo Mobibrasil, que engloba empresas de transporte público de passageiros nas cidades de Recife, São Paulo e Sorocaba. Além disso, ela é sócia-fundadora do Cittamobi, um aplicativo de soluções tecnológicas para a mobilidade.

Além da participação de palestras e debates, foi possível construir um olhar sobre o cenário, os desafios e as perspectivas da mobilidade urbana nas cidades por meio de atividades lúdicas e educativas. Sob esta concepção, a 2ª edição do Parque da Mobilidade Urbana (PMU) concebeu uma programação, além da prática de conferências temáticas, que incluiu ações interativas conectadas ao âmbito da mobilidade e de cidades inteligentes.  

Parque da Mobilidade urbana promoveu atividades interativas para imersão no universo da mobilidade.

Experimentações de test drive e test ride em veículos elétricos proporcionaram experiências sensoriais e enriquecedoras interligadas ao ecossistema da mobilidade.

Saiba mais no Portal Connected Smart Cities.

Quer saber como podemos ajudar sua cidade a se tornar mais sustentável? Visite nossa plataforma e upgrade your city! Entre em contato.

Receba uma demonstração

Entre em contato para saber mais detalhes de nossa metodologia processos de diagnósticos e planos de acesso.​

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

RELATED CONTENT

CIDADES À PROVA DE PANDEMIAS: A CHAVE PARA OS MODELOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO FUTURO

A pandemia revelou como algumas cidades estavam melhor preparadas do que outras em termos de suportar os impactos das ondas múltiplas ou controlar a propagação da infecção do Covid. Esta é uma boa notícia, pois nos mostra que, do ponto de vista do desenho urbano (como a cidade se organiza fisicamente) e da consequente gestão da mesma, existem formas de melhorar as condições de vida.