Nova norma técnica de Cidades Inteligentes é publicada no Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Elaborada com a contribuição da Bright Cities, a ISO 37122 ajuda cidades brasileiras a melhorar o desempenho dos serviços urbanos e a qualidade de vida das pessoas

As Cidades Inteligentes andam ganhando cada vez mais popularidade no país, e prova disso é que as cidades brasileiras podem contar agora com uma nova ferramenta para melhorar a gestão urbana: a norma técnica ISO 37122:2020Cidades e comunidades sustentáveis – Indicadores para cidades inteligentes.

Traduzido e adaptado para a nossa realidade com a contribuição da Bright Cities, o documento tem a importante função de apontar os indicadores que as cidades brasileiras devem considerar e avaliar para que se tornem mais sustentáveis, resilientes, eficientes – critérios indispensáveis para poderem se tornar, dessa forma, inteligentes. É por meio desses indicadores que o diagnóstico da performance urbana pode ser feito, valendo-se assim de números e dados precisos para descobrir como anda a qualidade seus serviços públicos.

Tendo acesso a norma e aos dados exigidos pelos indicadores, as cidades conseguem acompanhar, a longo prazo, o progresso de suas políticas, os reais impactos sobre os moradores e os pontos a serem melhorados no planejamento urbano. Ou seja: além de importantes direcionamento para um diagnóstico atual das cidades, as normas técnicas são também indispensáveis para a busca de um futuro melhor.

Daí a importância da ISO 37122:2020, que especifica e estabelece metodologias para um conjunto de indicadores de Cidades Inteligentes. Segundo a própria definição incluída na norma, uma smart city é aquela que “aumenta o ritmo em que proporciona resultados de sustentabilidade social, econômica e ambiental e que responde a desafios como mudanças climáticas, rápido crescimento populacional e instabilidades de ordem política e econômica, melhorando fundamentalmente a forma como engaja a sociedade, entre outros impactos positivos“.

Ou seja, o principal objetivo da nova norma técnica, assim como o de uma cidade inteligente, é o de garantir qualidade de vida. Não é por acaso que seu documento abrange uma série de questões voltadas para a vida nas cidades – são ao todo 19 áreas abordadas em seu texto! São elas: agricultura local e urbana, água, economia, educação, energia, esgoto, esporte e cultura, finanças, governança, habitação, meio ambiente, planejamento urbano, população e condições sociais, resíduos, saúde, segurança e recreação, telecomunicação e transporte.

E como em toda cidade inteligente, a tecnologia é fundamental para garantir serviços eficientes, rápidos e acessíveis em cada uma dessas áreas. Por isso, o que a norma técnica faz é justamente conciliar e orientar o uso de tecnologias com as necessidades da cidade para assegurar o bem-estar de seus moradores. Mais do que ferramentas para a gestão pública, os indicadores consideram seus impactos no cidadão.

São ao todo 80 indicadores incluídos na ISO 37122:2020, como por exemplo:

  • Porcentagem de serviços urbanos acessíveis e que podem ser solicitados online;
  • Porcentagem de serviços públicos de recreação que podem ser reservados online;
  • Número de reservas online para instalações culturais por 100 mil habitantes;
  • Porcentagem de pagamentos para a cidade realizados por meio eletrônico;

Apesar da complexidade de seus parâmetros, focados no desempenho de tecnologias, a norma oferece um valioso entendimento daqueles que serão os mais importantes indicadores do futuro, como um guia para as cidades inteligentes do amanhã! Para saber mais sobre a ISO 37122:2020, confira abaixo o WEBINAR especial que a ABNT realizou em ocasião de sua publicação. Você também pode adquiri-la no site da ABNT.

Sua publicação não poderia vir em melhor hora, já que em breve iniciam-se as eleições municipais no país. Ao determinar conceitos e garantir ainda mais ferramentas teóricas e práticas para gestores públicos, a norma busca incentivar a transformação sustentável e resiliente dos nossos centros urbanos.

Outro ponto que reforça sua importância é a padronização: aprovadas pela ISO, organização internacional de padronização, elas garantem que as cidades brasileiras estejam inseridas em um diálogo de escala global. Assim, os dados obtidos com os indicadores podem ser analisados em relação a quaisquer outros municípios do mundo, permitindo que gestores aprendam com políticas que já provaram ser eficientes em outros lugares.

Vale também lembrar que as normas técnicas da ISO estão alinhadas com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, orientando as cidades a adotar metas positivas para o futuro do planeta e das pessoas e ainda alcançar os objetivos desse importante plano de ação global.

É claro que a adoção das normas técnicas sempre respeita as particularidades de cada município, e por isso elas devem ser utilizadas sempre tendo em mente o contexto urbano onde será aplicada. Cabe à gestão municipal, portanto, compreender suas necessidades e criar estratégias próprias para ir de acordo com os padrões indicados na norma – e é aí que entra o trabalho da Bright Cities!

Nossa plataforma sabe quais são os indicadores incluídos nas normas técnicas da ISO e já capta, automaticamente, os dados referentes a eles em determinando município. Assim, fazemos todo o trabalho: coletados os dados e entregamos aos gestores públicos um diagnóstico que mostra, em tempo real, qual a real performance de uma cidade em relação às diretrizes estabelecidos pela ISO. Quer descobrir se sua cidade apresenta um bom resultado em relação à ISO 37122:2020? Conheça a norma.

Como uma das colaboradoras na tradução a adaptação da ISO 37122:2020, todos os indicadores dessa e outras normas técnicas para cidades inteligentes já foram incluídas em nossa plataforma. Quer descobrir o desempenho de sua cidade em relação às normas e como alinhar-se às mais importantes diretrizes internacionais?

Fazemos parte da Comissão de Estudo Especial de Cidades e Comunidades Sustentáveis (ABNT/CEE-268), grupo responsável pela elaboração das primeiras normas técnicas brasileiras específicas para cidades sustentáveis, resilientes e inteligentes. Além da ISO 37122:2020, uma série de outras normas voltadas para o assunto já foram publicadas por nós no Brasil, entre elas:

. A ISO 37120 – Orientação para o Estabelecimento de Modelos Operacionais de Cidades Inteligentes para Comunidades Sustentáveis: mais empregada entre as normas voltadas ao tópico, propõe diretrizes e guias para implementação de sistemas inteligentes.

. A ISO 37101 – Desenvolvimento sustentável de comunidades — Sistema de gestão para desenvolvimento sustentável — Requisitos com orientações para uso: define sistemas de gestão para o desenvolvimento sustentável e a coerência política de cidades.

Essas e outras normas de Cidades Inteligentes utilizadas em nossa plataforma são frutos de um consenso global, desenvolvidas justamente para avaliar o impacto da gestão pública nos cidadãos. Apesar de não serem de uso obrigatório, acreditamos que são importantes guias para melhorar políticas públicas e iniciativas privadas futuras. Além de fornecerem informações valiosas para desmistificar o conceito de cidades inteligentes no país, também incentivam a adoção de tecnologias inovadoras, capazes de melhorar a qualidade de vida das pessoas!

A Bright Cities é uma plataforma disruptiva para diagnosticar o roteiro de sua cidade para que ela se torne mais inteligente todos os dias. Conheça nossa plataforma e descubra como sua cidade pode se alinhar à essas normas internacionais. Upgrade your city!

RELATED CONTENT

O que são smart cities?

Como plataforma disruptiva, a Bright Cities quer desmistificar o conceito de smart cities e provar que o futuro já chegou

Recife mais inteligente

A cidade de Recife, capital do estado de Pernambuco, vai receber o diagnóstico e mapeamento de soluções da Plataforma Bright Cities.