Smart City Session aponta os caminhos para a transformação inteligente das cidades no pós-pandemia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Edição digital do Smart City Expo Curitiba encerra programação com foco em resiliência do espaço urbano, felicidade e bem-estar, governança e economia

Em tempos de pandemia, o maior evento brasileiro sobre cidades inteligentes também teve de se reinventar e apresentou de maneira 100% digital entre os dias 8 e 9 de dezembro de 2020 as iniciativas que despontaram com o surgimento da Covid-19 e têm transformado pequenas, médias e grandes comunidades em lugares mais inteligentes, sustentáveis e resilientes para se viver.  

Com um olhar centrado no ser humano e organizado em quatro principais trilhas de conhecimento, o Smart City Session, que aquece os motores para a terceira edição do Smart City Expo Curitiba 2021, reuniu profissionais do Brasil e do mundo para discutirem sobre temas como governança e economia, resiliência do espaço urbano e felicidade e bem-estar nas cidades.   

Marcando a abertura do evento, Rogério Marinho, responsável pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia, Vitor Menezes, secretário executivo do Ministério das Comunicações e Heiko Thomas, embaixador da Alemanha no Brasil, assinaram e lançaram oficialmente a Carta Brasileira de Cidades Inteligentes, desenvolvida com a participação da Bright Cities e de mais de 200 contribuintes de múltiplos setores e áreas do conhecimento. 

Com a publicação, as cidades brasileiras agora têm um norte importante para avançar em políticas urbanas mais sustentáveis, eficientes e tecnológicas, tendo como base oito objetivos estratégicos baseados no contexto brasileiro da transformação digital das cidades, entre eles a integração da transformação digital nas políticas, programas e ações de desenvolvimento urbano sustentável; o estabelecimento de sistemas transparentes, seguros e privativos de governança de dados e de tecnologias; e a adoção de modelos inovadores e inclusivos de governança urbana. Em desenvolvimento desde março de 2019, a carta é uma iniciativa filiada à Política Nacional de Desenvolvimento Urbano (PNDU) e coordenada pela da Secretaria Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano (SMDRU). 

Os legados da pandemia

No primeiro dia de evento, os keynotes Renato de Castro, CEO da SmartUp e especialista em cidades inteligentes, e Ricky Ribeiro, fundador do portal Mobilize Brasil, contaram sobre os legados que a pandemia deixou às cidades em termos de mobilidade e de melhoria da qualidade de vida da população. Para Castro, três grandes aprendizados vieram para ficar com a Covid-19: o processo de empoderamento de médios e pequenos municípios na busca da autossustentabilidade; a contínua adoção de tecnologias que melhoram o dia a dia dos cidadãos; e o foco cada vez maior na adoção de políticas públicas locais, a fim de descentralizar grandes centros urbanos e aplicar planejamentos mais policêntricos nas cidades. 

Na visão de Ribeiro, o período pré-pandemia já evidenciava problemas sistêmicos na mobilidade urbana, e agora é a chance de investir em ações e tecnologias que melhorem o ir e vir dentro das cidades e reduzam os impactos humanos no meio ambiente. “Podemos imaginar as margens do Rio Tietê e Pinheiros em São Paulo, convertidos em grandes passeios públicos e restaurantes, parques, praças, com deques de acesso às águas despoluídas, que por sua vez transportam barcos de passageiros e cargas. Com dezenas de pessoas de origens diversas circulando e convivendo com qualidade de vida”, prevê o especialista.

Felicidade e bem-estar em foco

Qualidade de vida, felicidade e bem-estar são conceitos que caminham lado a lado na construção de cidades inteligentes e felizes. Este foi um dos pilares do segundo dia do Smart City Session, que contou com palestras de arquitetos e urbanistas especialistas no tema, como Ariadne Daher, Gustavo Arns e Guilherme Takeda, idealizador e organizador do Congresso Internacional de Felicidade, respectivamente, e Jonny Stica, assessor de mercado da Fomento Paraná. 

“A pandemia deu ainda mais importância para o tema felicidade e quando falamos em cidades felizes falamos de ações de macro e micro influência. Pode ser desde investimentos em capital social ou simplesmente reparos de uma praça”, comentou Stica no talk “Happy Cities: o papel das smart cities na felicidade e bem-estar dos cidadãos”. Na visão de Arns, a felicidade é estruturada multidisciplinarmente, como uma somatória de fatores que levam em conta culturas e visões diferentes sobre o que é ser feliz. Para Takeda, o conceito de arquitetura humana é um dos caminhos para a felicidade, e o foco deve ser construir cidades para as pessoas, opinião compartilhada pela arquiteta e urbanista Ariadne. 

O poder dos dados e da tecnologia

Cidades inteligentes não são apenas cidades digitalizadas e tecnológicas, mas sim cidades centradas no bem-estar do ser humano. Neste contexto, a tecnologia se mostra como uma impulsionadora importante de ações e iniciativas que melhoram a qualidade de vida da população nos grandes centros urbanos. Não à toa, os dados, aliados ao avanço tecnológico, têm transformado a maneira como os estados lidam com os principais entraves de políticas públicas urbanas.

Foi sobre o tema que Raquel Cardamone, CEO da Bright Cities, Marcia Beatriz Cavalcante, Open Innovation Leader da Celepar, e Regiane Relva Romano, conselheira do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, falaram durante o painel “A cidade dos dados: análise de dados para a Governança 4.0”, mediado por André Guedes, CEO da RODA Consultoria e Treinamentos. Durante a sessão, as especialistas falaram sobre as iniciativas em âmbito federal, estadual e municipal que têm usado os dados de maneira inteligente para melhorar a qualidade de vida e o acesso a serviços e infraestruturas públicas.

A terceira edição do Smart City Expo Curitiba, adiada em 2020 por conta da pandemia, acontece no segundo semestre de 2021, ainda sem data definida.

RELATED CONTENT

PODCAST CIDADES DE 15 MINUTOS

Cidade de 15 minutos já ouviu falar? Imagine poder viver, trabalhar, estudar e dispor de serviços essenciais para a nossa qualidade de vida a apenas 15 minutos de casa, a pé ou de bicicleta.